terça-feira, 24 de maio de 2011

Saudades

"Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,
quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,
eu sinto saudades...

Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...

Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...

Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro...

Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...

Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.

Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!

Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!

Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!

Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.

Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências...

Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!

Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!

Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,

Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.

Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que...
não sei onde...
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi..."

Clarice Lispector

10 comentários:

  1. é tanta saudade que não cabe no peito...
    nunca se sabe até que ponto a saudade se torna dolorosa.
    Linda mensagem de Lispector!
    Beijo e lindo dia pra ti,Pê*

    ResponderExcluir
  2. Olá Pê,
    Saudade é fome que se alimenta de recordações, mas que só se sascia com o objeto da saudade.
    Abç com carinho e uma ótima terça.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia,Peônia!!

    Não conhecia este texto da Clarice!!
    Puxa!Muito lindo!!
    Vejo a saudade como uma coisa boa,mas nunca penso em voltar para o passado...gosto de recordar, me faz feliz, agradeço e sigo em frente!
    Beijos pra ti querida!!
    Tenha um dia iluminado!!

    ResponderExcluir
  4. querida peônia,
    o homem que deixou e sentir a doce melancolia da ausência já o não é. e mesmo respirando, morto estará.
    beijinho!

    ResponderExcluir
  5. Poema encantador! A saudade enquanto busca de mesmo...
    bjs!

    ResponderExcluir
  6. Muito bonito seu blog. Clarice Lispector é sempre perfeita no seu expressar. Deste mote um dia escrevi (longe da perfeição de Clarice, é claro):

    CANTATA

    eu tenho uma saudade circulando nas veias
    saudade que gira, que me entontece
    uma saudade que me compõe
    que se me impõe

    fora de mim é frio
    o amor que esquento entre as vísceras
    escondo das hienas

    fora é frio e o vento fere
    pele sobre pele
    enquanto minha poesia se dissipa

    eu tenho uma saudade que me assusta
    e que me aquece

    uma saudade no sangue
    rubra
    amarela
    furta cor
    da cor que eu pintar

    e tenho as cores que quero
    e as que não quero
    cá em mim

    fora é frio, mas tem os lábios
    sim, os lábios
    tem os lábios que me banham

    e das certezas que não tenho
    acomodo-as num ventre quente de mulher
    aconchego-me

    assim rasgo o tempo
    canto horas que ouvi
    carrego dias

    (Celso Mendes)

    ResponderExcluir
  7. Abraçar a vida por inteiro é desejo de todos, mas é consegui-lo é segredo bem guardado. Resta-nos o desejo de tentar, tentar sempre, para além da saudade...

    beijo :)

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus do céu, Pe!
    Parece que Clarice conseguiu descrever exatamente o que eu, por vezes, sinto!
    Lindo demais esse post amada! Bjs! Déia

    ResponderExcluir
  9. Sentir saudades é sinal que fomos felizes, pelo menos a espaços, pois ser feliz sempre é impossível!

    ResponderExcluir