quarta-feira, 30 de março de 2011

Sabedoria oriental

Imagem: w.w.w.comocuidar.com.br
A mosca, por mais limpo que seja o corpo, sempre procura a sujeira ou a ferida.

A abelha, por mais imundo que seja o pântano em que se encontre, sempre procura a flor e dela o néctar.

O lótus, uma flor oriental, nasce do lodo do pântano transmutando-o em néctar.

A abelha não aceita nada menos, vivendo somente do supra-sumo, do néctar.

Se a sua vida não lhe oferece o melhor, é porque você está sendo como a mosca, buscando o pior nas pessoas e nas coisas.

Está na hora de você mudar de atitude: como o lótus, transmutar o desequilíbrio, por pior que sejam as circunstâncias; como a abelha, buscar na vida somente as flores, e delas o néctar.

Assim a vida lhe oferecerá constantemente o melhor, o supra-sumo - e você bem que merece. Você nasceu para isso!”


Brahma Kumaris

terça-feira, 29 de março de 2011

Szerelem...


"Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
A princípio não te vi: não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo."

Pablo Neruda

segunda-feira, 28 de março de 2011

Szerelem!

"Por favor, não me analise. Não fique procurando cada ponto fraco meu. Se ninguém resiste a uma análise profunda, quanto mais eu! Ciumento, exigente, inseguro, carente todo cheio de marcas que a vida deixou: Veja em cada exigência um grito de carência, um pedido de amor! Amor, amor é síntese, uma integração de dados: não há que tirar nem pôr. Não me corte em fatias, (ninguém abraça um pedaço), me envolva todo em seus braços. E eu serei perfeito, amor!"

Fritjof in O Ponto de Mutação.

domingo, 27 de março de 2011

Uma imagem vale por mil palavras!

Imagem: twicsy.com
Urso panda abraça perna de policial após sismo no Japão. 

O terremoto e o tsunami que atingiram o Japão também criaram problemas para os animais de estimação japoneses. Muitos ficaram sem donos ou desabrigados . 

Imagem e texto: Uol Notícias
A cadelinha Luna é amarrada em uma árvore perto de sua casa improvisada em centro para desabrigados na cidade de Fukushima.
Imagem: Uol Notícias
Luna, cadela da raça beagle, descansa em casinha improvisada em centro para desabrigados de Fukushima.

Imagem: Uol notícias
 Mulher brinca com cachorro em centro para desabrigados em Fukushima. 
Imagem: Uol Notícias
 Um cão aguarda pelo seu dono em frente a uma casa destruída em Higashimatsushima, norte do Japão.
Imagem: Uol Notícias
Cachorro espera pelo dono em centro para desabrigados em Fukushima.    

Imagem e texto: Uol Notícias
 A gata Lady recebe cuidados no centro para desabrigados da cidade de Fukushima. 

sábado, 26 de março de 2011

Riflessione...

"Normal (hoje) é vestir roupas que compramos para ir trabalhar, dirigir no tráfego o carro que ainda estamos pagando, para chegar ao emprego de que precisamos para poder pagar as roupas, o carro e as despesas da casa que passa o dia vazia, enquanto trabalhamos para mantê-la".

Ellen Goodman

sexta-feira, 25 de março de 2011

Maravilhoso Hessen!

"Não creio ser um homem que saiba. Tenho sido sempre um homem que busca, mas já agora não busco mais nas estrelas e nos livros: começa a ouvir os ensinamentos que meu sangue murmura em mim. Não é agradável a minha história, não é suave e harmoniosa como as histórias inventadas; sabe a insensatez e a confusão, a loucura e  o sonho, como a vida de todos os homens que já não querem mais mentir a si mesmos".

H. Hesse in Demian.

Sapientia

"Quero lhe implorar
Para que seja paciente
Com tudo o que não está resolvido em seu coração e tente amar
As perguntas como quartos trancados e como livros escritos em língua estrangeira.
Não procure respostas que não podem ser dadas porque não seria capaz de vivê-las. E a questão é viver tudo. Viva as perguntas agora.
Talvez assim, gradualmente, você sem perceber, viverá a resposta num dia distante."

Rainer Maria Rilke

quinta-feira, 24 de março de 2011

Lucidez...


"Algumas vezes na vida tive momentos de absoluta clareza.

Nesses momentos, por alguns breves segundos o silêncio abafa o barulho.

E eu posso sentir

Em vez de pensar.

E as coisas parecem tão claras.

E o mundo parece tão revigorante.

É como se surgisse uma nova ordem.

Não posso fazer com que tais momentos perdurem.

Eu me agarro a eles, mas, como tudo, eles se dissipam.

Eu vivi desses momentos.

Eles me trazem de volta ao presente.

E eu me dou conta de que tudo

está exatamente como deveria estar."

A Single Man.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Essência!


Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.”
“Gosto do modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão.”
“Eu não sou promíscua. Mas sou caleidoscópica: fascinam-me as minhas mutações faiscantes que aqui caleidoscopicamente registro.”
“Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras.
Sou irritável e firo facilmente.
Também sou muito calmo e perdôo logo.
Não esqueço nunca.
Mas há poucas coisas de que eu me lembre.”
“Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros.”
“Passei a vida tentando corrigir os erros que cometi na minha ânsia de acertar.”
“Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.”
“Porque há o direito ao grito.
então eu grito.”


C. Lispector

Homenagem ao Outono

"Estou andando pela rua e do vento me cai uma folha exatamente nos cabelos. A incidência da linha de milhões de folhas transformadas em uma única, e de milhões de pessoas a incidência de reduzi-las a mim. Isso me acontece tantas vezes que passei a me considerar modestamente a escolhida das folhas. Com gestos furtivos tiro a folha dos meus cabelos e guardo-a na bolsa, como o mais diminuto diamante. Até que um dia, abrindo a bolsa, encontro entre os objetos a folha seca, engelhada, morta. Jogo-a fora: não me interessa fetiche morto como lembrança. E também porque sei que novas folhas coincidirão comigo. Um dia uma folha me bateu nos cílios. Achei Deus de uma grande delicadeza."

C. Lispector

sexta-feira, 18 de março de 2011

Univers intérieur



"É preciso saber ouvir. Acolher. Deixar que o outro entre dentro da gente. Ouvir em silêncio. Sem expulsá-lo por meio de argumentos e contra-razões. Nada mais fatal contra o amor que a resposta rápida. Alfange que decapita.

E é preciso saber falar. Há certas falas que são um estupro. Somente sabem falar os que sabem fazer silêncio e ouvir. E, sobretudo, os que se dedicam à difícil arte de adivinhar: adivinhar os mundos adormecidos que habitam os vazios do outro."

Rubem Alves

quarta-feira, 16 de março de 2011

Szerelem...‏


"Um anjo vem todas as noites: senta-se ao pé de mim, e passa sobre meu coração a asa mansa, como se fosse meu melhor amigo.
Esse fantasma que chega e me abraça (asas cobrindo a ferida do flanco) é todo o amor que resta entre ti e mim, e está comigo."


Lya Luft

terça-feira, 15 de março de 2011

Tragédia no Japão...


Às vezes é difícil compreender por que Deus permite que seus próprios filhos sofram de dúvidas, perdas, temores ou preocupações. Às vezes podemos até pensar que Ele se esqueceu de nós... Nestes momentos, vamos procurar uma fé mais forte, uma coragem mais profunda, uma esperança mais verdadeira. O mesmo Deus que nos amou ontem nos ama igualmente hoje e temos Sua eterna promessa que sua vontade nunca nos enviará onde seu amor não pode nos proteger.”
"Amor, quantos caminhos até chegar a um beijo,
que solidão errante até tua companhia!
Seguem os trens sozinhos rodando com a chuva.
Em taltal não amanhece ainda a primavera.
Mas tu e eu, amor meu, estamos juntos,
juntos desde a roupa às raízes,
juntos de outono, de água, de quadris,
até ser só tu, só eu juntos.
Pensar que custou tantas pedras que leva o rio,
a desembocadura da água de Boroa,
pensar que separados por trens e nações
tu e eu tínhamos que simplesmente amar-nos
com todos confundidos, com homens e mulheres,
com a terra que implanta e educa cravos."

Pablo Neruda

segunda-feira, 14 de março de 2011

Ponto de vista


"O Século XX com todos os seus progressos técnico-científicos deve curvar-se
com humildade ante o esplendor da civilização da Grécia Antiga. Esta não
conheceu a estonteante velocidade da era dos aviões a jato e dos satélites
artificiais. Não conheceu o segredo da constituição e da desintegração do átomo.
Mas seus pensadores alcançaram vôos intelectuais que foram muito além das
regiões atingidas pelas naves espaciais e penetraram mais fundo que a natureza
constitutiva da matéria. Ultrapassaram os limites físicos do Universo e
atingiram o mundo só acessível ao raciocínio puro onde se encontra a resposta
sobre a razão última de ser de todas as coisas”.


Mário Curtis Giordani/1972

O Amor e suas nuances

"Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão,
ela falou comigo:
'Coitado, até essa hora no serviço pesado'.
Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente.
Não me falou em amor.
Essa palavra de luxo."

Adélia Prado

sábado, 12 de março de 2011

Sapientia...

"Seja mais superficial em sua vida! Como uma zebra.
As zebras só se estressam quando enxergam um leão na savana. Então usam todas as forças e possibilidades de seu organismo para fugir do predador. Passado o perigo, cessa o estresse.
O problema dos humanos é reproduzir a mesma situação... sem o leão."